Blog

A Inovação digital na fabricação de bens de consumo
Empresas, Inovação

A Inovação digital na fabricação de bens de consumo

As empresas fabricantes de bens de consumo estiveram na vanguarda da inovação digital em áreas comerciais, como marketing e vendas. A cadeia de suprimentos e as operações têm sido menos focados em seus esforços digitais, mas recentemente, as principais empresas de bens de consumo começaram a explorar o uso de soluções digitais nos processos de fabricação.

Algumas empresas de bens de consumo, no entanto, não tem certeza por onde começar: quais aspectos da fabricação podem se beneficiar mais com as tecnologias digitais de hoje? E o que as empresas de ponta devem se interessar em seguir?

Facilitadores organizacionais para fabricação digital

Algumas empresas, especialmente as do setor de serviços, já fizeram mudanças em suas estruturas e estratégias organizacionais para apoiar os esforços de digitalização – por exemplo, comprando participantes de tecnologia de nicho ou criando laboratórios de inovação em locais ricos em talentos. As empresas de bens de consumo devem agora seguir o seu exemplo para obter o máximo de benefícios à medida em que digitalizam suas próprias linhas de produção. Uma vez que poucas empresas de bens de consumo possuem as capacidades internas necessárias para apoiar o desenvolvimento e o uso de ferramentas inovadoras de fabricação digital, elas devem atualizar suas estratégias de recrutamento, treinamento e retenção de cientistas de dados, engenheiros de software e outras equipes de tecnologia. A competição por esses talentos é rígida, com demanda quatro vezes maior do que a oferta para alguns cargos.

A governança corporativa também deve se tornar mais ágil para promover a fabricação digital. A equipe de tecnologia responsável pelo desenvolvimento e teste de ferramentas geralmente deve ter autoridade para estabelecer orçamentos e prioridades, pois perderão força se tiverem que esperar semanas para a aprovação da administração. Quando uma iniciativa importante exige suporte de liderança ou opiniões, as equipes locais devem ter acesso fácil aos tomadores de decisão.

Finalmente, as grandes empresas de bens de consumo podem precisar buscar parcerias com jogadores menores ou start-ups para obter capacidades digitais essenciais. Muitas empresas em outros setores já seguiram essa estratégia e tiveram bons resultados. Por exemplo, a Amazon adquiriu a Kiva Systems, uma pequena empresa de robótica, para desenvolver um tecnologia robô de ponta agora em uso generalizado em seus armazéns. Parcerias entre as grandes empresas também podem contribuir para o desenvolvimento de plataformas digitais sólidas.

As empresas consumidoras já estão se beneficiando do uso de ferramentas digitais em marketing e vendas – aplicá-las à fabricação é, portanto, um passo óbvio. O que também é claro, no entanto, é que as empresas não podem simplesmente implementar soluções digitais e esperar alcançar um impacto duradouro. Eles também devem realizar uma transformação organizacional que envolva aquisição de novos talentos e capacidades, agilizando o processo de tomada de decisão, tornando a governança mais flexível e colaborando com parceiros externos. Esta transformação envolve todos os grupos dentro da empresa e exigirá o compromisso total dos funcionários em todos os níveis. Mas os benefícios a longo prazo das soluções digitais, que serão o início de uma nova era de eficiência industrial, irão ser mais do que uma justificativa para esse esforço.

O futuro da fabricação digital

As empresas consumidoras também podem obter benefícios maiores de novas ferramentas digitais que estão sendo aprimoradas de forma contínua. Entre essas inovações estão as seguintes:

Ferramentas de realidade aumentada. Essas ferramentas fornecem dados sobre o ambiente do usuário em tempo real e facilitam o compartilhamento de informações. Com óculos inteligentes, por exemplo, os funcionários podem visualizar novas ordens de trabalho no chão da fábrica, ou tirar e transmitir fotos de máquinas quebradas para especialistas externos. Há um estimativa de que os óculos inteligentes podem melhorar a produtividade em 5 a 10 por cento, aumentando a velocidade das operações, melhorando a comunicação e permitindo processos sem papel. Outras ferramentas de realidade aumentada podem fornecer instruções aos técnicos responsáveis ​​por mudanças complexas ou a trabalhadores de armazém que procuram itens específicos.

Impressão 3D. As empresas de bens de consumo podem usar a tecnologia 3D para facilitar a concepção do produto e a fabricação de amostras. Em um fabricante de calçados, por exemplo, a tecnologia 3D reduziu o número de funcionários necessários para criar protótipos de 12 para 2, reduzindo significativamente os custos. As empresas também podem usar a impressão 3D para imprimir peças sobressalentes de reposição de baixa freqüência sob demanda em um site de produção, em vez de mantê-las em estoque ou enviá-las depois de uma avaria. Esta abordagem reduziria o custo de manter peças sobressalentes, facilitar processos de manutenção e reduzir o tempo de inatividade.

Sensores e controles conectados. Empresas de todas as indústrias já reconheceram o potencial da Internet de Coisas (IoT) e investiram em sensores conectados, como aqueles que podem detectar vibrações incomuns da máquina e transmitir suas descobertas para monitores em um local remoto, permitindo que a equipe externa direcione ações corretivas sem ter que ir até a instalação. Em indústrias pesadas, como a de mineração, os sensores IoT reduziram os custos em 40% e o tempo de inatividade pela metade. Embora algumas empresas de consumo tenham investido em sensores IoT, a maioria está atrasada em relação aos seus concorrentes em outros setores. Acreditamos que isso mudará à medida que as ofertas da IoT se tornarem mais sofisticadas e as empresas de consumo perceberem o valor que ela pode gerar.Tecnologia Cognitiva

Os benefícios que a inovação digital pode trazer para a fabricação de bens é imensurável e a tendência é que cada vez mais empresas passem a aderir a ferramentas que promovem essa inovação.